GUIMARÃES

CENTRO DE GUIMARÃES

ACOLHIMENTO
 
 
 
Hoje é dia de festa no nosso centro, é dia de receber os novos cursilhistas, os novos apóstolos, estes a quem Jesus disse:
 
“Vinde, Benditos de Meu Pai”
 
 
São palavras de Jesus Cristo e que Ele mesmo pronunciará no fim dos tempos, dirigindo-se a todos aqueles, que na vida terrena fizerem a vontade do Pai. Estas palavras, eu as aproprio, no momento, a todos vós que acabais de realizar o vosso cursilho de cristandade, e, concretamente, nesta precisa ocasião em que o nosso “Centro de Ultreia” da cidade berço “Guimarães” vos acolhe jubilosamente.
“Vinde Benditos de Meu Pai”.
Sede felizes: trazei convosco a alegria…Cristo está convosco…Mas, esta noite é tempo de vos recordar que no cursilho tiveste um encontro…cada um consigo
 mesmo…no cursilho, tivestes um encontro com JESUS CRISTO.
Hoje, esta noite, tendes um encontro com outros que já fizeram, como vós, um Cursilho de Cristandade.
Chegou o vosso 4º dia--- O bom senso manda e a vontade de vos acolher é tão grande que, queremos proporcionar-vos nesta noite um tempo diferente e inesquecível. O Centro de Ultreia da Cidade Berço, na sua forma peculiar de bem receber e acolher, está aqui de coração aberto e disponível, dando continuidade ao seu quarto dia que para alguns já vai longo e para vós começa agora.
Amigos e novos cursilhistas chegou a hora de tornar Cristo presente no Mundo através da Palavra e do testemunho. Primeiro, na vossa família, depois, nos vossos ambientes, melhor dizendo, no vosso metro quadrado móvel. Assim meu irmão e minha irmã, está na hora do “ser” cristão, do “agir” cristão, do “Atuar” sempre, em qualquer lugar e onde quer que vos encontreis. S Paulo nosso patrono, insistia muito nisto: “ TUDO QUANTO DISSEREM OU FIZEREM, FAÇAM-NO EM NOME DO SENHOR E GLORIFIQUEM O PAI POR MEIO D’ELE (col. 3. 17).
E se em algum mome

nto vos for difícil, vos doer e o desânimo vos bater à porta…
“Aguenta que é Serviço”-----“Cristo e eu Maioria Absoluta”.
 Meus irmãos tendes que ter um tripé forte: de pensamento, acção e alvo. A nossa piedade tem que ser fervorosa, elevada às alturas, ao Senhor; não po
demos desistir, dos fracos não reza a história. Temos que ser águias,  voar às alturas, o Senhor espera-nos! O nosso estudo tem que ser profundo. Há que ser aplicados e estudiosos, só assim o nosso trabalho e exemplo será testemunho, testemunho autêntico. Na acção, tendes de trabalhar na seara de Deus, na vinha do Senhor; só assim estaremos a aperfeiçoar este mundo inacabado que Deus nos deixou. Se é certo que não podemos pregar às pessoas de estômago vazio, também não podemos esquecer as palavras de Jesus Cristo: “sem Mim nada podeis fazer”.
 Nós criaturas, somos pequeninos. Tanto a palavra criança, como a palavra criatura significam que estamos a crescer, a desenvolver-nos. Todavia, chegaremos ao fim dos nossos dias na terra e sempre pequeninos… e, no Céu, então entraremos “à grande” se, de facto formos “pequeninos, pequeninos de verdade”, isto é: humildes, simples, amigos, pacíficos, trabalhadores, dedicados…homens
 de fé, homens de esperança, homens de caridade. A nossa vida tem sentido, mas um sentido único: Jesus Cristo.
Tudo na nossa vida tem um denominador comum – a minha vida e a vida de todos nós e tudo quanto fazemos deve ser referido a Jesus Cristo. Nós somos instrumentos Seus, onde quer que nos encontremos e façamos o que fizermos.
Pequenos ou grandes…sejamos humildes. E, por maior que alguém seja ou se julgue, por muito que se possa ler ou estudar, faça-se pequenino. Peço-vos que olheis para a mãe de Jesus que jamais apelou para a sua condição de mãe do Criador. Ela é nosso Modelo, a nossa 
Guia!

Que a Mãe de Jesus, a nossa Mãe, nos alcance e que por seu intermédio, possamos todos, ouvir a voz de seu Filho, nosso Irmão mais Velho e no Céu e em toda a parte onde está, interceda misericordiosamente por todos nós, junto de Deus Pai.
De Colores
Luís António Pacheco de Freitas Paiva